Joana d'Arc

Vamos explicar quem foi Joana d'Arc e como foi sua vida militar. Além disso, como era a sua personalidade e sua trágica morte.

Juana de Arco
Joana d'Arc conseguiu liderar o exército francês com apenas 17 anos de idade.

Quem foi Joana d'Arc?

Joana d'Arc (em francês, Jeanne d'Arc), também conhecida como a Donzela de Orleans ou Santa Joana d'Arc entre os católicos, foi uma camponesa cristã da Idade Média que se tornou heroína nacional da França. Liderou tropas do exército francês contra ingleses e borgonheses em episódios decisivos da Guerra dos Cem Anos. Com sua ajuda, Carlos VII de Valois conseguiu coroar-se rei da França.

Sua história é bem conhecida já que, apesar de ser mulher e camponesa em uma época em que a guerra era conduzida por homens da nobreza, conseguiu chefiar importantes forças do exército francês com apenas 17 anos de idade. Ela afirmava que era guiada por vozes e visões de anjos e santas. Ao longo do tempo, várias explicações foram propostas para estas visões, desde a esquizofrenia e a astúcia até uma crença religiosa sincera. Quando tinha 19 anos, foi queimada na fogueira por acusações de heresia.

Hoje, Joana d'Arc é lembrada como uma heroína nacional na França, como um mártir cristã ou como um exemplo da emancipação da mulher diante dos papéis sociais convencionais. Sua imagem foi empregada como símbolo de unidade nacional e como inspiração para as tropas francesas durante episódios militares como a Guerra Franco-Prussiana, a Primeira e a Segunda Guerra Mundial. Sua vida foi representada em numerosas obras teatrais, literárias e cinematográficas.

O nascimento e a infância de Joana d'Arc

Joana d'Arc nasceu na aldeia de Domrémy, no nordeste da França, que atualmente leva o nome de Domrémy-la-Pucelle em sua memória (“a Pucelle”, que costuma ser traduzida como “a Donzela”, foi o apelido que recebeu Joana devido à sua juventude).

A data exata do seu nascimento é ignorada, uma vez que nessa época não existia um registo de nascimentos e batismos de camponeses como os que viviam em Domrémy. No entanto, na primeira sessão do interrogatório ao qual foi submetida por um tribunal eclesiástico, em 21 de fevereiro de 1431, afirmou ter “cerca de dezenove anos”, o que sugere que nasceu em 1412.

Seu nome de nascimento e com o qual assinava as cartas que ditava (pois era analfabeta) era Jehanne; assim se escrevia Jeanne no francês da época. Aparentemente, em sua aldeia a conheciam como Jeannette (algo assim como “Joaninha” em português).

Era filha de um agricultor chamado Jacques Darc, que possuía terras e ocupava cargos públicos em Domrémy mas não pertencia à nobreza (foi enobrecido junto com sua família pelo rei Carlos VII em 1429). O seu sobrenome aparece escrito nas fontes históricas de diferentes modos (por exemplo, Darc, d'Arc, Tarc), mas o sobrenome com o qual se conheceu Joana foi d'Arc. A origem deste sobrenome é motivo de discussão: alguns pesquisadores sugerem que é uma referência ao povo próximo de Arc-en-Barrois, mas não existe consenso a respeito.

A mãe de Joana foi Isabelle Romée, cujo nome de nascimento parece ter sido Isabelle de Vouthon, e que se casou com Jacques na época em que se instalaram em Domrémy.

Até onde se pôde reconstruir, Joana era a quarta de cinco irmãos (três irmãos mais velhos e uma irmã mais nova, embora desta não existam dados claros). Embora Joana devesse ocupar-se de tarefas domésticas e camponesas, sua família não atravessava dificuldades econômicas graças à posição social de seu pai na aldeia.

A Guerra dos Cem Anos

Guerra de los cien años
A Guerra dos Cem Anos deixou devastada boa parte do território francês.

A rivalidade entre a França e a Inglaterra provinha pelo menos desde o ano 1066, quando Guilherme, o Conquistador, duque da Normandia, conquistou o trono inglês depois de ter sido vitorioso na Batalha de Hastings.

Doravante, os duques normandos, que eram vassalos do rei da França no continente, passaram a ter maior poder que este, especialmente quando Enrique Plantageneta (duque da Normandia desde 1150) tornou-se também conde de Anjou em 1151, duque de Aquitânia em 1152 (por casar-se com Leonor, que acabava de se divorciar do rei Luís VII da França) e rei da Inglaterra em 1154. Assim, o rei da Inglaterra era senhor de grande parte do território francês, o que provocou conflitos nos anos seguintes.

A Guerra dos Cem Anos irrompeu num momento em que o rei da França havia recuperado a autoridade sobre a maior parte do território e confiscou em 1337 o ducado da Guiana que os ingleses conservavam. Além disso, houve um conflito sucessório, pois a morte sem herdeiros do rei Carlos IV da França em 1328 reclamou o trono tanto o conde Filipe de Valois, sobrinho de Filipe IV da França, como o rei Eduardo III da Inglaterra, filho de Isabel (a irmã de Carlos IV).

Na época em que viveu Joana d'Arc, os ingleses haviam vencido batalhas como a de Agincourt (1415) e haviam aliado-se com os borgonheses da França que defenderam o direito ao trono francês do rei da Inglaterra (Henrique VI desde 1422). Ingleses e borgonheses dominavam o sudoeste e o norte da França, incluindo Paris. O delfim Carlos, herdeiro do trono da França por direito de primogenitura, controlava a maior parte do centro e sul com o apoio dos Armagnacs, rivais dos borgonheses, mas sua situação se via cada vez mais comprometida. A intervenção de Joana d'Arc em 1429 inclinou a balança a seu favor.

A guerra terminou em 1453 com a retirada dos ingleses da França (exceto de Calais). Embora tenha se estendido ao longo de 116 anos, os episódios de guerra ocorreram de forma intermitente. Ainda assim, devastaram grande parte do território francês, cuja nobreza feudal foi muito enfraquecida.

A inspiração divina

Juana de Arco
Joana dizia sentir o chamado divino para libertar o reino da França.

No julgamento a que foi submetida por um tribunal eclesiástico, Joana d'Arc declarou ter ouvido a voz de Deus pela primeira vez quando tinha treze anos, no jardim do seu pai. Segundo o seu testemunho, essa voz provinha do lado da igreja e era acompanhada por uma poderosa luz, e se bem que no início ela fosse tomada pelo medo, logo compreendeu que provinha de um anjo enviado por Deus.

Em sua declaração disse que essa voz correspondia ao arcanjo Miguel e que este lhe apareceu posteriormente de modo que pôde vê-lo com seus próprios olhos. Também identificou as vozes e aparições de outras duas figuras do santoral católico: Santa Catarina de Alexandria e Santa Margarida de Antioquia, duas santas muito veneradas pelo catolicismo da época. Em seu relato, as vozes e aparições se reiteraram durante três anos. Inicialmente a instavam a se comportar de maneira piedosa e logo lhe insistiam em que devia ir ao centro da França, levantar o Cerco a Orleans (que começou em outubro de 1428) e permitir que o delfim Carlos fosse coroado rei.

As vozes e visões de Joana d'Arc receberam diversas explicações: desde uma condição médica (como a esquizofrenia) ou a astúcia para conseguir convencer um bom número de pessoas, até uma sincera crença baseada numa forma de interpretar o mundo ou, para alguns fiéis cristãos, a verdadeira inspiração divina.

De qualquer modo, uma experiência que parece ter influenciado a decisão de Joana de se encontrar com o delfim Carlos, independentemente de acreditar ou não que tinha sido convocada por Deus, foi a incursão militar dirigida por um governante borgonha contra a cidade de Vaucouleurs em 1428.

Naquela época, Domrémy estava na fronteira entre a França e o Sacro Império Romano Germânico. Ao que parece, seus habitantes eram leais aos Armagnacs que defendiam o direito ao trono da França do delfim Carlos e, portanto, estavam enfrentados com os borgonheses que, aliados dos ingleses, dominavam a maior parte da região.

A cidade de Vaucouleurs, também leal a Carlos, pôde ser defendida, mas o ataque afetou algumas aldeias próximas que foram incendiadas, entre elas, Domrémy. Joana e sua família conseguiram fugir, mas este fato parece ter sido o que motivou sua entrevista com o capitão Robert de Braudicourt em Vaucouleurs e que determinou sua intenção de viajar a Chinon para encontrar-se com Carlos e lutar contra os ingleses.

O cerco a Orleans

Juana de Arco
Joana d'Arc ia à frente das suas tropas com um estandarte com os nomes Jesus e Maria.

Orleans era uma cidade de importância estratégica. Alguns acreditavam que se caísse nas mãos dos ingleses, estes poderiam vencer definitivamente os franceses leais ao delfim Carlos. O cerco inglês à cidade começou em outubro de 1428 e Joana declarou posteriormente que as vozes do arcanjo Miguel e as santas Catalina e Margarita a convenceram de que devia ajudar Carlos a levantar o lugar de Orleans.

Para isso, foi a Robert de Baudricourt, capitão de uma guarnição francesa em Vaucouleurs, e solicitou-lhe uma pequena escolta para viajar ao castelo de Chinon. O objetivo era se reunir com o delfim e convencê-lo de que as vozes divinas a haviam enviado para ajudá-lo a levantar o Cerco de Orleans.

Nessa época circulavam profecias sobre uma jovem ou virgem que salvaria o reino da França. Possivelmente graças a estas crenças populares e a sua própria insistência Joana conseguiu o seu propósito: vestida de homem e acompanhada de uma escolta atravessou a cavalo território hostil e chegou a Chinon no final de fevereiro de 1429.

Segundo os testemunhos, Carlos recebeu Joana e esta lhe comunicou que queria enfrentar militarmente os ingleses. Também lhe disse que as vozes lhe haviam assegurado que seria coroado rei em Reims (cidade onde se devia consagrar aos reis da França mas que, nesse momento, estava nas mãos dos borgonheses). Depois que teólogos e outras personalidades religiosas a examinaram para garantir que era uma boa cristã, o golfinho decidiu confiar nela.

Esta decisão possivelmente se deveu à situação desesperada em que se encontrava Orleans depois de meses de cerco, o que justificava o recurso a uma figura inspiradora que levantasse a moral dos franceses. Foi assim que Carlos a colocou à frente de um exército levando armadura, espada e um estandarte com os nomes de Jesus e Maria.

Com suas tropas e mantimentos para os sitiados chegou aos subúrbios de Orleans e conseguiu penetrar na cidade. Durante os dias seguintes, houve ataques contra as fortalezas que mantinham os ingleses nas redondezas até que, no nono dia, os ingleses se retiraram.

Os historiadores não concordam com o papel de Joana na defesa de Orleans. Alguns sustentam que sua presença foi decisiva, seja por seu arrojo junto às tropas ou pelo efeito de sua figura na moral dos defensores. Outros sugerem que o sucesso se deveu a uma mudança de tática alheia às decisões de Joana que, no entanto, permitiu que esta fosse percebida como a heroína das profecias.

O que parece certo é que teve um papel ativo na inspiração dos defensores da cidade e que participou em alguns ataques contra as posições inglesas erguendo seu estandarte, ao ponto que foi ferida no ombro por uma flecha. Por isso é conhecida como “a donzela de Orleans”.

A campanha do Loire

Depois da defesa bem-sucedida de Orleans, as tropas francesas ao serviço do delfim Carlos passaram à ofensiva. Joana d'Arc participou ativamente desta campanha e alguns historiadores afirmam que foi sua a iniciativa devido à sua convicção de que era preciso avançar até Reims para a coroação de Carlos. De qualquer modo, sabe-se que em seu planejamento e implementação participaram também outros conselheiros e comandantes.

A campanha do Loire de junho de 1429 consistiu na conquista sucessiva de três cidades do vale do rio Loire (Jargeau, Meung-sur-Loire e Beaugency), localizadas junto a pontes de importância estratégicas controladas pelos ingleses, e a vitória na batalha de Patay.

Esta sequência de sucessos militares lançou as bases do avanço francês para o norte. Joana d'Arc esteve à frente de algumas destas tropas junto ao duque João II de Alençon, a quem ela se referia como “o duque gentil”, ainda que em Patay seu contingente chegou quando já haviam vencido a cavalaria e a infantaria de outros comandantes, como La Hire e Jean Poton de Xaintrailles.

Depois do sucesso nesta campanha, ficava liberado o caminho para seguir com o plano idealizado por Joana (que ela atribuía à inspiração divina), ou seja, avançar junto a Carlos até Reims, no norte, e coroá-lo rei na catedral.

A coroação de Carlos VII

Juana de Arco - Carlos VII
Com a coroação de Carlos VII as proezas de Joana alcançaram seu auge.

Entre as missões que, segundo afirmava Joana d'Arc, lhe haviam sido confiadas por Deus, estava a de acompanhar o delfim a Reims, onde devia ser coroado rei legítimo da França. A empresa era perigosa, já que implicava avançar sobre território controlado por borgonheses e ingleses. No entanto, Joana estava convencida de que era importante coroar o quanto antes Carlos na catedral de Reims, lugar tradicional de consagração dos reis da França, para que sua legitimidade tivesse sanção divina.

Devido à contundente vitória em Orleans e no vale do Loire, e possivelmente também à reputação de Joana, as populações pelas quais passou o exército de Carlos foram se rendendo ou se mostraram leais ao delfim, incluindo a cidade de Troyes que inicialmente resistiu mas concluiu capitulando.

Foi assim que as tropas chegaram a Reims, onde os habitantes abriram as portas e, em 17 de julho de 1429, o delfim foi coroado rei da França como Carlos VII, acompanhado na cerimônia por Joana d'Arc, cujas proezas alcançaram aqui o seu ponto máximo.

A captura em Compiègne

Após sua coroação em Reims, Carlos VII negociou uma trégua de duas semanas com os borgonheses que aproveitaram para reforçar a defesa de Paris ante o iminente ataque. O controle da capital tinha importância política, e sua captura por parte de Carlos VII teria sido um duro golpe para os borgonheses e a definitiva inclinação da balança a favor dos Armagnacs leais a Carlos. No entanto, o assalto à cidade em 8 de setembro foi um completo desastre e as tropas de Carlos VII se retiraram com mais de mil baixas e Joana ferida por uma flecha em uma coxa.

Durante os meses seguintes, Joana protagonizou alguns ataques a lugares fortificados e foi enobrecida, junto com sua família, pelo rei em reconhecimento a suas façanhas militares.

Em maio de 1430 dirigiu uma pequena tropa para a cidade de Compiègne, que estava cercada por um exército borgonha. Em 23 de maio, sua tropa caiu em uma emboscada e Joana foi capturada. Posteriormente, os borgonheses a entregaram aos ingleses em troca de uma soma de dinheiro.

O julgamento e a execução de Joana d'Arc

Juana de Arco
Joana d'Arc foi executada na praça do Mercado Velho de Ruan.

Quando os borgonheses entregaram Joana d'Arc aos ingleses, eles a levaram prisioneira ao castelo de Ruan, onde tinham sua sede de governo na França. Permaneceu ali desde 23 de dezembro de 1430 até o momento de sua execução, em 30 de maio de 1431.

Joana foi acusada de heresia e examinada por um tribunal eclesiástico presidido pelo bispo de Beauvais, Pierre Cauchon, que pertencia à facção dos Borguinhões, inimiga do rei Carlos VII. Apesar do caráter eclesiástico do julgamento, Joana permaneceu presa numa cela secular, numa das torres do castelo de Ruan, onde teve de suportar frequentes perseguições.

Durante o julgamento, foi submetida a rigorosos interrogatórios, nos quais participaram quase 120 acusadores e testemunhas. Ela era acusada de feitiçaria, de usar roupas masculinas e de outras acusações que buscavam demonstrar que, por trás de sua aparente piedade católica, se escondia uma herege. Acreditando ou não em tudo aquilo de que a acusavam, era evidente a conveniência política de se desapegar de uma figura que dera uma renovada inspiração aos franceses leais a Carlos VII.

O julgamento ocorreu entre janeiro e maio de 1431. Muito do que sabemos sobre a vida, as ideias religiosas e o trágico fim de Joana d'Arc vem das atas deste julgamento. Embora durante os interrogatórios manteve suas afirmações a respeito das mensagens que dizia ter recebido de Deus para coroar a Carlos VII e expulsar os ingleses da França, numa das últimas sessões, retratou-se e negou as aparições do arcanjo Miguel e as santas Catarina e Margarida. Poucos dias depois, porém, retirou sua retratação com o argumento de que só a havia pronunciado por medo do fogo e que as santas se haviam comunicado com ela para adverti-la por faltar à verdade.

Finalmente, Joana d'Arc foi considerada culpada de mais de setenta acusações, incluindo as de inventar falsas revelações e aparições divinas, vestir-se como um homem, cometer blasfêmia e ser suspeita de heresia. Por ter negado sua retratação, converteu-se aos olhos do tribunal em “reincidente”.

Foi condenada a morrer na fogueira. Entregue ao braço secular dos ingleses, a execução teve lugar na praça do Mercado Velho de Ruan em 30 de maio de 1431, quando tinha 19 anos de idade. Suas cinzas foram jogadas no rio Sena. Vinte anos depois, a mãe de Joana iniciou um processo de revisão do julgamento e conseguiu que este fosse anulado por falhas processuais. Era o ano 1456, a Guerra dos Cem Anos tinha terminado e os ingleses tinham se retirado da França.

Doravante, a figura de Joana adquiriu relevância como um símbolo nacional francês, especialmente a partir do século XIX, e foi representada em obras literárias, teatrais, pictóricas e cinematográficas. Em 1920 foi canonizada pelo papa Bento XV.

Algumas frases de Joana d'Arc

  • “Em nome de Deus! Avancemos com coragem”.
  • “Não creio ter cometido pecado mortal. Se o tivesse feito, santa Catarina e santa Margarida teriam me abandonado imediatamente”.
  • “Os homens lutarão e Deus concederá a vitória”.
  • “Prefiro morrer a fazer algo que sei que é pecado”.
  • “Ânimo! Não retrocedam, em pouco tempo o lugar será de vocês”.
  • “Nada temo porque Deus está comigo”.

Referências

  • Jeanne d’Arc la Pucelle.
  • "Jeanne d’Arc" Fayard-Pluriel. Pernoud, R. & Clin, M. V. (2011).
  • "St. Joan of Arc" Vale, M. G. A. & Lanhers, Y. (2022) em Encyclopedia Britannica.
  • "Joan of Arc & Richard III" Wood, C. T. (1991) em Oxford University Press.
  • “Juana de Arco” em Wikipedia.

Como citar?

Citar a fonte original da qual extraímos as informações serve para dar crédito aos respectivos autores e evitar cometer plágio. Além disso, permite que os leitores acessem as fontes originais que foram utilizadas em um texto para verificar ou ampliar as informações, caso necessitem.

Para citar de forma adequada, recomendamos o uso das normas ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), que é uma entidade privada, sem fins lucrativos, usada pelas principais instituições acadêmicas e de pesquisa no Brasil para padronizar as produções técnicas.

GAYUBAS, Augusto. Joana d'Arc. Enciclopédia Humanidades, 2023. Disponível em: https://humanidades.com/br/joana-darc/. Acesso em: 17 julho, 2024.

Sobre o autor

Autor: Augusto Gayubas

Doutor em História (Universidad de Buenos Aires)

Traduzido por: Cristina Zambra

Licenciada em Letras: Português e Literaturas da Língua Portuguesa (UNIJUÍ)

Data da última edição: 28 dezembro, 2023
Data de publicação: 17 março, 2023

Esta informação foi útil para você?

Não

    Genial! Obrigado por nos visitar :)