Panteísmo

Vamos explicar o que é o panteísmo, em que consiste e como é classificado. Além disso, quais são as suas principais características e a sua importância.

Panteísmo
O panteísmo afirma que Deus e o mundo são um só.

O que é o panteísmo?

O panteísmo é uma corrente filosófica que defende que o conceito de “Deus” é equivalente a dizer universo, existência ou o próprio Deus, tal como entendido pelas religiões monoteístas. “Deus” não é mais que uma forma de chamar à lei natural, à própria existência.

Os panteístas acreditam que o criador (Deus) e a criatura (o mundo e tudo o que é criado pela obra divina) são uma coisa só. Este tipo de pensamento é conhecido como monismo, e se diferencia do teísmo comum à maioria das religiões, em que “deus” e “mundo” são conceptualmente opostos um ao outro. Independentemente de quaisquer que sejam as diferenças entre os vários panteísmos históricos, o que todos eles têm em comum é a concepção da realidade como algo imanente (autofechado), que é a única coisa que existe.

Etimologia do termo “panteísmo”

A palavra “panteísmo” provém da união de dois vocábulos gregos: o adjetivo neutro pan (πᾶν), que significa “tudo”, e o substantivo theos (θεός), traduzido como “deus”. A união desses dois termos possibilita traduzir “panteísmo” como “Deus em tudo”.

Origem do panteísmo

panteismo giordano bruno
Parte dos princípios panteístas pode ser encontrada no trabalho de Giordano Bruno.

O termo “panteísmo” apareceu pela primeira vez em latim, no De Spatio Reali seu Ente Infinito do matemático inglês Joseph Ralson, publicado em 1697. A origem do panteísmo como modelo de pensamento é desconhecida. Contudo, encontramos características marcantes deste sistema em filósofos ainda antes de Ralson, tais como João Escoto Erígena (815-877 d.C.) ou Nicolau de Cusa (1401-1464). Alguns dos seus princípios podem também podem ser encontrados no trabalho de Giordano Bruno (1548-1600). Estes estudos anteriores permitiram ao panteísmo surgir no século XVI como um sistema próprio e servir de prelúdio ao materialismo e ao ateísmo.

Em que consiste o panteísmo?

A abordagem fundamental do panteísmo é que Deus e a natureza são uma e também a mesma coisa. Não é uma forma de politeísmo, em que a cada aspecto da natureza é atribuída uma divindade, mas, pelo contrário, tudo o que existe forma uma unidade que pode ser chamada Deus. Isto inclui objetos, leis naturais, corpos astronômicos e o próprio ser humano.

O panteísmo não propõe um Deus como uma entidade cognoscível específica, alcançável através de algum tipo de método. A realidade, como um todo, é manifestação divina, emanação de Deus, que deve ser entendido como o princípio do que é, mas também como o que o mantém sendo.

Principais pensadores do panteísmo

Panteísmo - Antonio rosmini
Antonio Rosmini foi um autor que tentou contrastar o iluminismo e o sensismo.
  • Giordano Bruno. Este astrônomo, filósofo, teólogo e poeta italiano expôs na sua obra várias abordagens da realidade natural, compiladas especialmente no seu livro A Causa, o Princípio e o Uno (1584). O panteísmo de Giordano Bruno é um panteísmo ateu que exprime uma ideia do universo como a “alma do mundo”, intelecto universal que completa e alcança tudo. As suas ideias eram revolucionárias em relação às aceitas e defendidas pela Igreja Católica, tanto que a sua obra foi proibida pela Santa Inquisição e ele foi julgado como herege e queimado na fogueira.
  • Baruch Espinoza. Um dos pensadores fundamentais do racionalismo do século XVII ao lado de Leibniz e Descartes, este filósofo judeu neo-holandês foi o autor de um dos maiores questionamentos racionalistas à ortodoxia religiosa da época. A sua afirmação de que “Tudo o que existe, existe em Deus, e sem Deus, nada pode existir nem ser concebido” (Étici, XV), radicaliza o monismo da substância e a finitude dos indivíduos modais, tornando Deus explícito na sua criação. A sua aproximação ao panteísmo pode ser considerada panenteísmo (uma corrente que propõe um deus que abrange o universo mas não se limita a ele), e tem sido criticada por filósofos posteriores, como Friedrich von Schelling.
  • Escoto Erígena. Filósofo irlandês da Renascença Carolíngia, viveu, pensou e escreveu no século IX (810-877 AC). Embora a comunidade acadêmica não se pronuncie sobre o panteísmo de Erígena, a sua afirmação sobre a unidade e identidade de Deus com a criatura, Deus est omnia (Deus é tudo), coloca-o, sem dúvida, nesta lista.
  • Antonio Rosmini. Este pensador e filósofo italiano do século XIX, fundador da congregação religiosa Instituto da Caridade, foi o autor de uma obra que tentava contrastar o Iluminismo e o Sensismo, atacando tanto o empirismo como o escolasticismo. A sua obra foi condenada pela Santa Sé Católica, mas foi finalmente beatificado em 2007.
  • Pierre Teilhard de Chardin. Homem religioso jesuíta com inclinação à filosofia e à paleontologia. Contribuiu com uma versão muito pessoal da evolução, que se afastou do choque entre ciência e religião do final do século XIX e início do século XX. Isto o levou a ser atacado pela igreja e ignorado pela ciência.

Tipos de panteísmo

Duas variantes de panteísmo são frequentemente identificadas:

  • O panteísmo religioso ou acósmico. É assim chamado porque assume a existência de uma realidade divina que é a única realidade verdadeira, na qual o mundo está reduzido. De acordo com esta corrente, o mundo é uma manifestação ou emanação de Deus.
  • O panteísmo ateu ou naturalista. Entende a natureza como a única e verdadeira realidade à qual Deus é reduzido, que se transforma em um princípio orgânico da própria natureza, uma autoconsciência do universo. De acordo com esta corrente, o deus das religiões monoteístas, pensado como uma entidade separada, não existe.

Religião e panteísmo

panteismo hunduismo
Os vários deuses hindus estão presentes em todos os aspectos da natureza.

A maioria das religiões monoteístas, cujo conjunto de crenças defende o culto a um deus único e verdadeiro, rejeitam qualquer postura panteísta. Consideram-na pagã ou quase idolatria, ou seja, que substitui o culto ao deus verdadeiro pelo culto aos objetos.

Em outros casos, tais como o politeísmo hindu, as abordagens sobre a relação entre o mundo e os deuses que o governam podem ser semelhantes ao panteísmo. Estas religiões têm um panteão de deuses quase infinito, identificando não só aspectos externos ao ser humano, mas também internos.

Entretanto, é importante ressaltar que mesmo nesses casos os deuses têm uma entidade própria. Ou seja, permanecem separados do mundo real.

Panenteísmo e pandeísmo

Panteísmo - panenteísmo
O panenteísmo acredita que Deus abrange o universo mas não está limitado a ele.

O panteísmo não deve ser confundido com os seguintes conceitos:

  • O panenteísmo. A diferença entre ambos é que o panenteísmo propõe um deus que abrange o universo mas não se limita a ele. Isto significa que ele é o criador do universo, a sua energia vital, a fonte de toda a lei natural. Esta ideia de Deus é a ideia de um deus transcendente, diferentemente da concepção imanente do divino proposto pelo panteísmo.
  • O pandeísmo. Este é um modelo filosófico resultante da união do panteísmo e do peísmo. Defende que o criador do universo fundiu-se com a sua criação e deixou de existir como uma entidade separada. O pandeísmo tenta responder por que motivo Deus criaria o universo para depois abandoná-lo.

Porque o panteísmo é importante?

O panteísmo como doutrina filosófica desempenhou um papel importante na formação da cultura ocidental. Participou na difícil transição entre a mentalidade religiosa que prevaleceu durante grande parte da Idade Média Cristã, e a mentalidade moderna, racionalista e cientificista que prevaleceu a partir do século XVII.

Como prelúdio à possibilidade do ateísmo e do agnosticismo, o panteísmo foi importante porque, ao unificar Deus com a natureza, a necessidade de culto estruturado foi reduzida. Era possível prescindir de um templo religioso, pois no panteísmo, Deus não tem uma entidade determinada, reconhecível através de alguma prática religiosa.

Ressignificação contemporânea

Nos tempos de hoje, o panteísmo sofreu uma ressignificação nas mãos de correntes religiosas e filosóficas mais idealistas e reacionárias. Tentam usá-lo para reconciliar o discurso científico com a religião, uma vez que Deus abrange tudo, incluindo qualquer descoberta científica.

Podemos também encontrar grandes exemplos de sistemas panteístas na Literatura, televisão ou cinema. Ideias como “A Força”, em Guerra nas Estrelas, ou o mundo criado por James Cameron em Avatar, são concepções panteístas do universo, onde a divindade é apresentada de forma imanente na criação.

Referências

  • Arana, J. (2001). El panteísmo y sus formas. Revista de filosofía57, 5-18.
  • Harrison, P. (2001). A Pantheist Vision of God: The Divine Universe. Expanding Humanitys Vision Of God, 251.
  • Levine, M. P. (2002). Pantheism: A non-theistic concept of deity. Routledge.
  • “Panteísmo” em Diccionario Soviético de Filosofía.
  • “Pantheism” em The Encyclopaedia Britannica.

Como citar?

As citações ou referências aos nossos artigos podem ser usadas de forma livre para pesquisas. Para citarnos, sugerimos utilizar as normas da ABNT NBR 14724:

ESPÍNOLA, Juan Pablo Segundo. Panteísmo. Enciclopedia Humanidades, 2023. Disponível em: https://humanidades.com/br/panteismo/. Acesso em: 15 abril, 2024.

Sobre o autor

Autor: Juan Pablo Segundo Espínola

Licenciatura em Filosofia (Universidad de Buenos Aires)

Traduzido por: Márcia Killmann

Licenciatura em letras (UNISINOS), Doutorado em Letras (Universidad Nacional del Sur)

Data da última edição: 15 setembro, 2023
Data de publicação: 29 junho, 2023

Esta informação foi útil para você?

Não

    Genial! Obrigado por nos visitar :)